Notícias » Geral

Focos de calor reduzem no Pantanal de MT mas incêndios ainda não foram extintos, dizem bombeiros

14/10/2020 às 17:41

Autor: Ianara Garcia
Fonte: TV Centro América

Os incêndios no Pantanal de Mato Grosso reduziram, mesmo sem muitas chuvas na região. Mas, de acordo com o Corpo de Bombeiros, as equipes continuam combatendo o fogo que está ativo em alguns pontos da Transpantaneira, Poconé, Cáceres e regiões no entorno do município de Barão de Melgaço.

Um total de 294 brigadistas, militares e voluntários continuam tentando combater as chamas.

Ao todo, 42% do Pantanal mato-grossense foram consumidos pelo fogo. Os incêndios começaram em julho deste ano.

A análise semanal do Sistema Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais (Prevfogo) do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), junto com Laboratório de Aplicações de Satélites Ambientais da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), apontou que, em uma semana, só 55 hectares foram queimados no Pantanal em Mato Grosso.

O total da área queimada já chega a 2.215 milhões de hectares, o que representa 15 vezes o tamanho das cidades de São Paulo e Rio de Janeiro juntas.

Bombeiros dizem que o fogo está controlado no Pantanal de MT

Mato Grosso concentra 35% do bioma. O restante fica no estado vizinho, Mato Grosso do Sul.

Depois da devastação causada pelo fogo, os animais passam pela fase chamada por especialistas de "fome cinzenta".

Com a vegetação queimada falta comida para os animais. Os voluntários espalham alimentos e água para os bichos.

Muitos são encontrados fracos, desidratados, ou já mortos.

A área atingida no ano chega a quase 33 mil km², que equivale à soma do território do Distrito Federal e de Alagoas. No mesmo período do ano passado, a devastação causada pelo fogo chegava a 12.948 km². A devastação observada apenas nos primeiros nove meses deste ano já superam todo o ano de 2019, que teve 20.835 km² atingidos.

Antes do atual recorde, o ano com a maior área queimada era 2005, quando foram destruídos 27.472 km².

O monitoramento do governo federal aponta que setembro teve ainda o maior número de queimadas desde o início das medições em 2002. Foram 14.264 focos de calor detectados de 1º a 30 de setembro, mais de 120% maior que o mesmo mês no ano passado.

WEBMAIL

Coloque seu e-mail e senha para ter acesso ao webmail.

Enquete

O que você achou do nosso site? Dê sua opinião e nos ajude a melhorar nossa plataforma